ComunidadeaBíblia.Net

 
Home Artigos Pirataria: O mal que a Igreja ignora!

Pirataria: O mal que a Igreja ignora!

>> As 95 teses de Martinho Lutero
>> Deus e a Palavra de Deus
>> O Evangelho de Judas - Parte IV - Sobre o ato da traição?
>> O Evangelho de Judas - Parte III - A importância do achado
>> O Evangelho de Judas - Parte II - O Conteúdo

Discos originais, sejam eles CDs ou DVDs, em geral, são muito caros. Isso nunca foi novidade. O preço pago por um filme que acaba de chegar nas prateleiras pode representar um valor próximo a 10% do salário mínimo de um brasileiro. Isso é fato. A pergunta é, este fato justifica a pirataria?

Como que da noite para o dia surge um novo sucesso. Todos querem ver e ouvir o ilustre cantor interpretar a canção que está na boca do povo. Logo a música estará em todas as rádios e ocupará boa parte do tempo disponível no ar. Mas se o negócio é bom mesmo, o melhor é ter uma cópia em CD, DVD ou, agora mais recente, MP3 para ouvir quando bem entender. Até ai tudo sob controle, tudo sob a ética social e religiosa. Se eu preciso de um CD eu compro, se preciso de um DVD faço o mesmo, e se preciso de um MP3 posso comprar um CD e fazer a conversão e está tudo ótimo. Uma vez que eu comprei um disco original eu posso reproduzi-lo para uso próprio sem problemas.

Mas se ao invés de comprar eu baixei na internet? Ou pior, se eu comprei uma cópia pirata? Nesse caso eu posso até buscar justificativas das mais comoventes como: “Estou desempregado e por isso não posso pagar o valor do original”, mas não tem jeito, acabei de cometar uma infração perante os homens e um pecado diante de Deus.

Se a lei e os mandamentos de Deus são claros, por que as pessoas desobedecem fazendo cara de “a vítima sou eu”? Essa resposta pode ser mais complexa do que parece, mas vamos tentar discuti-la.

Primeiro surge a necessidade: Antes não existiam discos nem nada disso e ninguém morreria sem isso. Mas ai, e agradeço a Deus por isso, sugiram os primeiros discos. Que maravilha, era possível perpetuar a voz humana e os sons diversos em uma porção de matéria inanimada. Se era barato ou caro, sinceramente eu não sei, mas o preço de produção era muito alto para valer a pena piratear um destes produtos. Resultado, quem podia comprar, comprava, quem não podia, ficava na vontade. Bom, ainda hoje eu morro de vontade e necessidade de ter um carro e me livrar dos sempre lotados coletivos, mas nem por isso eu saiu torcendo para aparecer um modelo ilegal de automóvel para eu chamar de meu. Antes disso, espero pacientemente o dia em que Deus irá me abençoar com essa graça, se é que Ele vai, Ele não possui obrigação alguma quanto a isso.

Depois surge a facilidade, mas ilegal: De repente o mundo se depara com uma nova tecnologia onde é possível replicar obras de áudio e vídeo por um custo até quarenta vezes menor. É ilegal, mas nem parece! Talvez esse tenha sido o principal fator para a expansão desse mal. As pessoas começaram a piratear sem perceber. Inicialmente a ideia da quebra dos direitos autorais não era muito divulgada. Assim, a pessoa baixava uma obra na internet, comprava uma mídia gravável e realizava a cópia. Se não fosse a questão dos direitos autorais (que não eram muitos divulgados inicialmente) não existia nada de ilegal nisso e assim o erro foi se tornando normal.

Hoje, após alguns anos dessa prática, as pessoas se acostumaram a adquirir uma obra pelo valor de uma mídia gravável de CD ou DVD. Logo, comparar o preço da mídia com o preço real da obra é realmente muito desigual. E dessa forma vai-se “empurrando com a barriga”, inventando novas desculpas de que o preço é alto, que a culpa é do governo pelos altos impostos ou até que é desaforo dos artistas cobrarem tão caro.

Mas independente de qualquer uma dessas questões, piratear é muito de diferente de roubar? Segundo o dicionariodoaurelio.com piratear é:

“v.i. Fazer pirataria. / Roubar como os piratas.”

Ainda segundo o mesmo dicionário pirata significa:

“s.m. e s.f. Fig. Pessoa que enriquece à custa de outrem. / Bras. Malandro, namorador, conquistador barato. // Pirata aéreo, pessoa que, sob ameaça, muda a rota de um avião em pleno vôo, com objetivos políticos ou intenção criminosa.”

Talvez nosso principal sentimento diante dessa realidade é o de quê: “Mas eu preciso disso e não posso pagar pelo original”. Vamos lá, você já parou para imaginar como seria se os produtos ilegais não existissem? Bom, ou você desistiria da aquisição e descobriria que aquilo não era tão importante assim, ou faria os esforços necessários e adquiriria o tão sonhado produto.

Independente de nossas condições financeiras em um dado momento, se a geladeira quebra, conseguimos conserta-la ou adquirir outra. Simplesmente por que realmente necessitamos de uma geladeira em casa e não existem geladeiras piratas no mercado à venda.

Hoje, para que as pessoas optem por produtos piratas bastam que esses existam. Na maioria das vezes, os consumidores que adquirem esses produtos poderiam sim, comprar o original. É tudo uma questão de escolher o mais fácil ou invés do correto. A Super Interessante em uma edição extra sobre o filme Avatar (Ed 274-A. Jan/2010) onde, entre outros assuntos apresenta a guerra da industria cinematográfica contra a pirataria, sugere que se desse para baixar Big Macs de graça a McDonal's fecharia.

Um dia, em uma das aulas sobre Comportamento Organizacional, disciplina integrante do curso de Engenharia de Computação que conclui no final de 2009, meu professor, falando sobre ética e  honestidade, citou uma frase que me chamou à atenção. Ele disse que para sermos constantemente honestos é necessário travar uma guerra interior a cada instante. Pensar nisso me lembra o texto contido em Mateus capítulo 7 versículos a seguir:

13 Entrai pela porta estreita; porque larga é a porta, e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela;
14 E porque estreita é a porta, e apertado o caminho que leva à vida, e poucos há que a encontrem.

Se adaptarmos o texto sagrado ao problema da pirataria (e podemos fazer isso) teríamos o autor nos exortando sobre a vida ilegal. Nos lembraria que muitas são as pessoas que seguem por esse caminho, mas que nós devíamos viver sob a legalidade independente das dificuldades, por que assim é o caminho para os céus.

Considerando o sentido espiritual, a pirataria representa de longe, o mal do século. Hoje, para muitos religiosos, é mais fácil evitar a grande maioria dos pecados que deixar de consumir produtos pirata. Muitas das igrejas estão dormindo para essa, que pode ser considera a maior armadilha de Satanás dos últimos tempos. Esse é um pecado frio, que geralmente não nos leva ao arrependimento como o adultério ou a mentira. A pirataria é cautelosa, tem a marca de seu criador: O Inimigo de nossas almas. A Palavra de Deus nos revela que Satanás é astuto e vive por tentar nos tragar:

EFÉSIOS 06:
11 Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo.

I PEDRO 05:
8 Sede sóbrios, vigiai. O vosso adversário, o Diabo, anda em derredor, rugindo como leão, e procurando a quem possa tragar;

Ainda, a mesma Palavra nos mostra que Jesus Cristo reprova qualquer tipo de irregularidade, tendo Ele mesmo nos deixado o mandamento para que cumpríssemos com nossas obrigações diante das autoridades. Jesus nos mandou pagar nossos impostos:

MATEUS 22:
21 Dizem-lhe eles: De César. Então ele lhes disse: Dai pois a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus.

Se bem interpretado, o texto descrito acima (Mateus 22:21) responde ainda a outra pergunta: “Eu posso usar produtos ilegais para louvar a Deus?” Parece até brincadeira, mas o número de discos de música gospel presente nas vendas de produtos pirata só tem crescido. Fato esse que sugere uma dura realidade: Protestante estão consumindo a cada dia mais discos pirateados, e o pior, para adorar a Deus. Bom, Jesus disse: “a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus”. Eu nunca vi Deus possuir nada ilegal!

Pense nisso. Se o produto que você necessita existe uma versão mais barata ou gratuita que seja legal (como software livre) substitua, se não (como no caso de obras artísticas) avalie suas condições, junte dinheiro e compre, se você não tem condições, bom, você não tem condições!



App Caixinha de Promessas

 

Caixinha de Promessas

"Grande é o Senhor, e mui digno de ser louvado; e a sua grandeza é insondável." Salmos 145:3

[Inclua em seu site]



 


Publicidade